Brazilian Journal of Otorhinolaryngology Brazilian Journal of Otorhinolaryngology
Braz J Otorhinolaryngol 2017;83:349-55 DOI: 10.1016/j.bjorlp.2017.02.016
Artigo de revisão
Postoperative otorhinolaryngologic complications in transnasal endoscopic surgery to access the skull base
Complicações pós‐operatórias otorrinolaringológicas em cirurgias endoscópicas transnasais para acesso a base do crânio
Ricardo Landini Lutaif Dolcia,b,, , Marcel Menon Miyakea,b, Daniela Akemi Tatenoa,b, Natalia Amaral Cançadoa,b, Carlos Augusto Correia Camposa,b, Américo Rubens Leite dos Santosb,c, Paulo Roberto Lazarinia,b
a Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, Departamento de Otorrinolaringologia, São Paulo, SP, Brasil
b Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo (FCMSC‐SP), São Paulo, SP, Brasil
c Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, Departamento de Cirurgia, Disciplina de Neurocirurgia, São Paulo, SP, Brasil
Recebido 07 Fevereiro 2016, Aceitaram 14 Abril 2016
Resumo
Introdução

O grande crescimento no número de cirurgias endoscópicas transnasais para a base do crânio ocorreu a partir de um maior conhecimento anatômico da região; do desenvolvimento de materiais e instrumentais específicos e, principalmente, após o uso do retalho nasosseptal como uma barreira entre o trato sinusal (cavidade contaminada) e o espaço subaracnóideo (área estéril), com redução de grandes riscos de contaminação.

Objetivo

Avaliar as complicações otorrinolaringológicas nos pacientes submetidos à cirurgia endoscópica da base do crânio, na qual foi usado o retalho nasoseptal.

Método

Estudo retrospectivo, no qual foram avaliados os pacientes submetidos à cirurgia da base do crânio por via endoscópica com retalho nasosseptal, quanto à presença no pós‐operatório das seguintes complicações: fístula liquórica, meningite, formação de mucocele, sinéquia nasal, perfuração septal (anterior à septectomia posterior), insuficiência de válvula nasal interna, epistaxe e alteração olfatória.

Resultados

Foram avaliados 41 pacientes submetidos à cirurgia. Desses, 35 eram portadores de adenomas hipofisários (macro ou microadenomas; selares e extensão supraselar), três meningiomas (dois de tubérculo selar e um da goteira olfatória), dois craniofaringiomas e um abscesso intracraniano. As complicações observadas foram: fístula liquórica (três pacientes – 7,3%), meningite (três pacientes – 7,3%), sinéquia em fossa nasal (oito pacientes – 19,5%), insuficiência de válvula nasal interna (seis pacientes – 14,6%) e queixa de pioria do olfato (16 pacientes – 39%). O teste olfatório evidenciou anosmia ou hiposmia em 10 pacientes (24,3%). Nenhum paciente apresentou mucocele, epistaxe ou perfuração septal.

Conclusão

O uso do retalho nasosseptal proporcionou uma revolução na cirurgia da base do crânio por via endoscópica e tornou os procedimentos mais eficazes e com baixa morbidade, comparado com a via tradicional. Porém, passou a ocasionar morbidades nasais principalmente transitórias, mas em alguns casos permanentes, como hiposmia e anosmia. Assim, torna‐se necessário um aperfeiçoamento dessa técnica para proporcionar uma melhoria na qualidade de vida do paciente e diminuir possíveis complicações.

Abstract
Introduction

The large increase in the number of transnasal endoscopic skull base surgeries is the consequence of greater knowledge of the anatomic region, the development of specific materials and instruments, and especially the use of the nasoseptal flap as a barrier between the sinus tract (contaminated cavity) and the subarachnoid space (sterile area), reducing the high risk of contamination.

Objective

To assess the otorhinolaryngologic complications in patients undergoing endoscopic surgery of the skull base, in which a nasoseptal flap was used.

Methods

This was a retrospective study that included patients who underwent endoscopic skull base surgery with creation of a nasoseptal flap, assessing for the presence of the following post‐surgical complications: cerebrospinal fluid leak, meningitis, mucocele formation, nasal synechia, septal perforation (prior to posterior septectomy), internal nasal valve failure, epistaxis, and olfactory alterations.

Results

The study assessed 41 patients undergoing surgery. Of these, 35 had pituitary adenomas (macro‐ or micro‐adenomas; sellar and suprasellar extension), three had meningiomas (two tuberculum sellae and one olfactory groove), two had craniopharyngiomas, and one had an intracranial abscess. The complications were cerebrospinal fluid leak (three patients; 7.3%), meningitis (three patients; 7.3%), nasal fossa synechia (eight patients; 19.5%), internal nasal valve failure (six patients; 14.6%), and complaints of worsening of the sense of smell (16 patients; 39%). The olfactory test revealed anosmia or hyposmia in ten patients (24.3%). No patient had mucocele, epistaxis, or septal perforation.

Conclusion

The use of the nasoseptal flap has revolutionized endoscopic skull base surgery, making the procedures more effective and with lower morbidity compared to the traditional procedure. However, although mainly transient nasal morbidities were observed, in some cases, permanent hyposmia and anosmia resulted. An improvement in this technique is therefore necessary to provide a better quality of life for the patient, reducing potential complications.

Keywords
Nasoseptal flap, Endonasal, Endoscopic, Skull base, Complications, Otorhinolaryngologic
Palavras‐chave
Retalho nasosseptal, Endonasal, Endoscópica, Base do crânio, Complicações, Otorrinolaringológicas
Braz J Otorhinolaryngol 2017;83:349-55 DOI: 10.1016/j.bjorlp.2017.02.016