Brazilian Journal of Otorhinolaryngology Brazilian Journal of Otorhinolaryngology
Braz J Otorhinolaryngol 2017;83:45-9 DOI: 10.1016/j.bjorlp.2016.11.007
Artigo original
A possible cause of epistaxis: increased masked hypertension prevalence in patients with epistaxis
Uma possível causa de epistaxe: maior prevalência de hipertensão mascarada em pacientes com epistaxe
Baran Acara,, , Bunyamin Yavuzb, Erdem Yıldıza, Selcuk Ozkana, Mehmet Ayturka, Omer Senc, Onur Sinan Devecia
a Kecioren Training and Research Hospital, Department of Otorhinolaryngology, Ankara, Turquia
b Medical Park Ankara Hospital, Department of Cardiology, Yenimahalle, Turquia
c Kecioren Training and Research Hospital, Department of Cardiology, Ankara, Turquia
Recebido 23 Outubro 2015, Aceitaram 15 Janeiro 2016
Abstract
Introduction

Epistaxis and hypertension are frequent conditions in the adult population. Masked hypertension is defined as a clinical condition in which a patient's office blood pressure level is <140/90mmHg, but the ambulatory or home blood pressure readings are in the hypertensive range. Many studies have proved that hypertension is one of the most important causes of epistaxis. The prevalence of this condition in patients with epistaxis is not well defined.

Objective

This study aimed to evaluate the prevalence of masked hypertension using the results of office blood pressure measurement compared with the results of ambulatory blood pressure monitoring.

Methods

Sixty patients with epistaxis and 60 control subjects were enrolled in the study. All patients with epistaxis and controls without history of hypertension underwent physical examination, including office blood pressure measurement, ambulatory or home blood pressure, and measurement of anthropometric parameters.

Results

Mean age was similar between the epistaxis group and the controls – 21–68 years (mean 42.9) for the epistaxis group and 18–71 years (mean 42.2) for the control group. A total of 20 patients (33.3%) in the epistaxis group and 7 patients (11.7%) in the control group (p=0.004) had masked hypertension. Night‐time systolic blood pressure was significantly higher in patients with epistaxis than in the control group (p<0.005). However, no significant difference was found in daytime systolic blood pressure between the control group and the patients with epistaxis (p=0.517).

Conclusion

This study demonstrates increased masked hypertension prevalence in patients with epistaxis. We suggest that all patients with epistaxis should undergo ambulatory or home blood pressure to detect masked hypertension, which could be a possible cause of epistaxis.

Resumo
Introdução

Epistaxe e hipertensão são condições frequentes na população adulta. Hipertensão mascarada é definida como uma condição clínica em que o nível da pressão arterial do paciente no consultório é<140/90 mm Hg, mas as leituras da pressão arterial ambulatorial ou em casa se encontram na faixa hipertensiva. Muitos estudos demonstraram que a hipertensão é uma das causas mais importantes de epistaxe. Ainda não está devidamente definida a prevalência dessa condição em pacientes com epistaxe.

Objetivo

Avaliar a prevalência de HM com o uso dos resultados de mensurações da pressão arterial no consultório, em comparação com os resultados da MAPA.

Método

Foram recrutados 60 pacientes com epistaxe e 60 indivíduos para controle. Todos os pacientes com epistaxe e os controles sem histórico de hipertensão passaram por exame físico, inclusive determinação da pressão arterial no consultório, MAPA e mensuração dos parâmetros antropométricos.

Resultados

A média de idade foi similar entre o grupo com epistaxe e os controles: de 21 a 68 (média 42,9) anos para o grupo com epistaxe e de 18 a 71 (média 42,2) anos para o grupo controle. No total, 20 pacientes (33,3%) no grupo com epistaxe e sete (11,7%) no grupo controle (p = 0,004) apresentaram hipertensão mascarada. A pressão arterial sistólica noturna foi significantemente mais alta em pacientes com epistaxe, em comparação com o grupo controle (p < 0,005). No entanto, não foi observada diferença significante na pressão arterial sistólica obtida durante o dia entre o grupo controle e os pacientes com epistaxe (p = 0,517).

Conclusão

O presente estudo demonstra maior prevalência de hipertensão mascarada em pacientes com epistaxe. Sugerimos que todos os pacientes com epistaxe devam ser submetidos à monitoração da pressão arterial caseira ou em consultório com o objetivo de detectar hipertensão mascarada, que pode ser uma causa possível de epistaxe.

Keywords
Masked hypertension, Epistaxis, Spontaneous
Palavras‐chave
Hipertensão mascarada, Epistaxe, Espontânea
Braz J Otorhinolaryngol 2017;83:45-9 DOI: 10.1016/j.bjorlp.2016.11.007