Brazilian Journal of Otorhinolaryngology (English Edition) Brazilian Journal of Otorhinolaryngology (English Edition)
Braz J Otorhinolaryngol 2017;83:183-9 DOI: 10.1016/j.bjorl.2016.03.009
Original article
Surgical treatment of choanal atresia with transnasal endoscopic approach with stentless single side-hinged flap technique: 5 year retrospective analysis
Tratamento cirúrgico de atresia de coana com abordagem endoscópica transnasal com técnica de retalho único e articulação lateral sem colocação de stent: análise retrospectiva de 5 anos
Carmelo Saraniti, Manuela Santangelo, Pietro Salvago,
Università degli Studi di Palermo, Dipartimento di Biomedicina Sperimentale e Neuroscienze Cliniche (BioNeC), Sezione di Otorinolaringoiatria, Palermo, Italy
Received 22 December 2015, Accepted 02 March 2016
Abstract
Introduction

Choanal atresia is a rare congenital malformation of the nasal cavity characterized by the complete obliteration of the posterior choanae. In 67% of cases choanal atresia is unilateral, affecting mainly (71%) the right nasal cavity. In contrast to the unilateral form, bilateral choanal atresia is a life-threatening condition often associated with respiratory distress with feeding and intermittent cyanosis exacerbated by crying. Surgical treatment remains the only therapeutic option.

Objective

To report our experience in the use of a transnasal endoscopic approach with stentless single side-hinged flap technique for the surgical management of choanal atresia.

Methods

A 5 year retrospective analysis of surgical outcomes of 18 patients treated for choanal atresia with a transnasal technique employing a single side-hinged flap without stent placement. All subjects were assessed preoperatively with a nasal endoscopy and a Maxillofacial computed tomography scan.

Results

Ten males and eight females with a mean age at the time of surgery of 20.05±11.32 years, underwent surgery for choanal atresia. Fifteen subjects (83.33%) had a bony while 3 (26.77%) a mixed bony-membranous atretic plate. Two and sixteen cases suffered from bilateral and unilateral choanal atresia respectively. No intra- and/or early postoperative complications were observed. Between 2 and 3 months after surgery two cases (11.11%) of partial restenosis were found. Only one of these presented a relapse of the nasal obstruction and was subsequently successfully repaired with a second endoscopic procedure.

Conclusion

The surgical technique described follows the basic requirements of corrective surgery and allows good visualization, evaluation and treatment of the atretic plate and the posterior third of the septum, in order to create the new choanal opening. We believe that the use of a stent is not necessary, as recommended in case of other surgical techniques involving the use of more mucosal flaps.

Resumo
Introdução

A atresia de coanas é uma malformação congênita rara da cavidade nasal caracterizada pela obliteração completa da coana posterior. Nos 67% dos casos a atresia coanal é unilateral, acometendo principalmente (71%) a cavidade nasal direita. Diferentemente da forma unilateral, a atresia coanal bilateral é uma condição com risco de vida, frequentemente associada a angústia respiratória com alimentação e cianose intermitente exacerbada pelo choro. O tratamento cirúrgico permanece como a única opção terapêutica.

Objetivo

Relatar a nossa experiência no uso de uma abordagem endoscópica transnasal com a técnica de retalho articulado de um lado só sem colocação de stent para o tratamento cirúrgico da atresia coanal.

Método

Análise retrospectiva de 5 anos dos desfechos cirúrgicos de 18 pacientes tratados para atresia coanal com uma técnica transnasal com um único retalho de articulação lateral, sem colocação de stent. Todos os indivíduos foram avaliados no pré-operatório com uma endoscopia nasal e um exame de tomografia computadorizada maxilofacial.

Resultados

Dez homens e oito mulheres com idade média no momento da cirurgia de 20,05±11,32 anos foram submetidos a cirurgia para atresia de coanas. Quinze pacientes (83,33%) apresentaram placa atrésica óssea, enquanto 3 (26,77%) apresentaram uma placa atrésica ósseo-membranosa mista. Dois e dezesseis casos sofriam de atresia coanal bilateral e unilateral, respectivamente. Não foram observadas complicações intra e/ou pós-operatórias precoces. Entre 2 e 3 meses após a cirurgia dois casos (11,11%) de restenose parcial foram encontrados. Apenas um deles apresentou uma recidiva da obstrução nasal e, portanto, foi reparado com sucesso com um segundo procedimento endoscópico.

Conclusão

A técnica cirúrgica descrita segue os requisitos básicos de cirurgia corretiva e possibilita boa visualização, avaliação e tratamento da placa atrésica e do terço posterior do septo, a fim de criar a nova abertura coanal. Pensamos que a utilização de um stent não é necessária, tal como recomendado no caso de outras técnicas cirúrgicas que envolvem o uso de mais retalhos de mucosas.

Keywords
Choanal atresia, Endoscopic nasal surgery, Re-stenosis
Palavras-chave
Atresia de coana, Cirurgia nasal endoscópica, Restenose
Braz J Otorhinolaryngol 2017;83:183-9 DOI: 10.1016/j.bjorl.2016.03.009