Brazilian Journal of Otorhinolaryngology (English Edition) Brazilian Journal of Otorhinolaryngology (English Edition)
Braz J Otorhinolaryngol 2017;83:98-104 DOI: 10.1016/j.bjorl.2016.01.017
Review article
Obstructive sleep apnea and oral language disorders
Apneia obstrutiva do sono e alterações da linguagem oral
Camila de Castro Corrêaa,, , Maria Gabriela Cavalheirob, Luciana Paula Maximinob, Silke Anna Theresa Webera
a Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (FM–UNESP), Faculdade de Medicina de Botucatu, Departamento de Oftalmologia e Otorrinolaringologia, Botucatu, SP, Brazil
b Universidade de São Paulo (FOB–USP), Faculdade de Odontologia de Bauru, Departamento de Fonoaudiologia, Bauru, SP, Brazil
Received 14 June 2015, Accepted 10 January 2016
Abstract
Introduction

Children and adolescents with obstructive sleep apnea (OSA) may have consequences, such as daytime sleepiness and learning, memory, and attention disorders, that may interfere in oral language.

Objective

To verify, based on the literature, whether OSA in children was correlated to oral language disorders.

Methods

A literature review was carried out in the Lilacs, PubMed, Scopus, and Web of Science databases using the descriptors “Child Language” AND “Obstructive Sleep Apnea”. Articles that did not discuss the topic and included children with other comorbidities rather than OSA were excluded.

Results

In total, no articles were found at Lilacs, 37 at PubMed, 47 at Scopus, and 38 at Web of Science databases. Based on the inclusion and exclusion criteria, six studies were selected, all published from 2004 to 2014. Four articles demonstrated an association between primary snoring/OSA and receptive language and four articles showed an association with expressive language. It is noteworthy that the articles used different tools and considered different levels of language.

Conclusion

The late diagnosis and treatment of obstructive sleep apnea is associated with a delay in verbal skill acquisition. The professionals who work with children should be alert, as most of the phonetic sounds are acquired during ages 3–7 years, which is also the peak age for hypertrophy of the tonsils and childhood OSA.

Resumo
Introdução

Crianças e adolescentes com Apneia Obstrutiva do Sono (AOS) podem apresentar sonolência diurna, alterações de aprendizado, memória e atenção, que podem interferir na linguagem oral.

Objetivo

Verificar, com base na literatura, se a AOS apresenta correlação com alterações da linguagem oral.

Método

Foi realizada revisão bibliográfica nas bases de dados Lilacs, Pubmed, Scopus e Web of Science, a partir das palavras-chaves “Linguagem Infantil” AND “Apneia do Sono Tipo Obstrutiva”. Os artigos que não se relacionavam ao tema foram excluídos, bem como estudos com crianças que apresentassem outras comorbidades, além da AOS.

Resultados

Foram localizados 0 artigos na base Lilacs, 37 na Pubmed, 47 na Scopus e 38 na Web of Science. A partir dos critérios de inclusão e exclusão, foram selecionados seis estudos, publicados em 2004 a 2014. Dos artigos incluídos, observou-se em quatro artigos a relação do grupo com ronco primário/SAOS com a Linguagem Receptiva e em quatro artigos a relação dessa população com a Linguagem Expressiva. Ressalta-se que os artigos utilizaram instrumentos diferentes e consideraram níveis diversificados da Linguagem.

Conclusão

O diagnóstico e tratamento tardio de AOS resultam em alterações significantes na qualidade da aquisição verbal. Torna-se imprescindível a atenção dos profissionais que atuam com o a população infantil para este aspecto, uma vez que grande parte dos sons da fala são adquiridos entre 3–7 anos, que corresponde ao período de pico de ocorrência de hipertrofia adenoamigdaliana e AOS na infância.

Keywords
Child language, Language disorders, Speech, language and hearing sciences, Obstructive sleep apnea
Palavras-chave
Linguagem infantil, Transtornos da linguagem, Fonoaudiologia, Apneia do sono tipo obstrutiva
Braz J Otorhinolaryngol 2017;83:98-104 DOI: 10.1016/j.bjorl.2016.01.017